Corretor online das 09h às 18h

Atendimento por e-mail

Central de Vendas (41) 3029 5011 das 09h às 18h

Corretor online das 09h às 18h

Atendimento por e-mail

Central de Vendas (41) 3029 5011 das 09h às 18h

Corretor online das 09h às 18h

Atendimento por e-mail

Central de Vendas (41) 3029 5011 das 09h às 18h

Animais de estimação pedem soluções para melhor convivência

Ele invadiu o seu coração, a sua mente, a sua vida. Foi amor à primeira vista! Agora, ele faz parte da família: como melhor amigo ele é praticamente um filho. Tudo mudou com a sua chegada, incluindo a rotina diária e os ambientes da casa, que ganharam novas atividades, funções, cuidados e “elementos decorativos”. Isso mesmo, estamos falando dos animais de estimação. Afinal, além de amigo e fiel companheiro, eles também são agentes transformadores do ambiente em que vivem e das pessoas ao seu redor.

Para o arquiteto Fernando Schwertner, que divide o seu apartamento com Félix, um lindo gato branco da raça turca, as pessoas que gostam de viver em ambientes muito arrumados devem pensar bastante antes de adquirir ou adotar um animal de estimação. “Com a chegada deles a nossa vida muda e precisamos ser mais flexíveis. Os brinquedos espalhados pela casa, por exemplo, invariavelmente começam a fazer parte da decoração e temos que olhar isso de forma positiva”, comenta o arquiteto.

felix comendo uma fruta na panelinha

Felix comendo frutas em sua panelinha

Então não é para menos! Desde a adoção de Félix há seis anos, Fernando procurou organizar uma rotina diária disciplinada para uma melhor adaptação ao apartamento em que vivem visando a saúde e o bem-estar de ambas as partes. “Hoje, se algo não sai como Félix espera, como encontrar a sua caixa de areia limpa ou a comida sempre no mesmo lugar, é certo que ele vai aprontar alguma coisa para chamar a minha atenção”, acrescenta o arquiteto, ressaltando as vantagens de escolher o gato como animal de estimação. “Ele é pequeno, limpo, territorial, mais independente e de fácil adaptação em ambientes fechados, como dos apartamentos”.

Como arquiteto, Fernando também procura usar o seu conhecimento profissional para solucionar algumas necessidades “básicas” do seu bichano como arranhar os móveis, subir nos armários e dormir na sua cama. “A varanda está estrategicamente decorada com um vasinho da “erva de gato” para o Félix cheirar e brincar. Mas também conta com uma cadeira de fibras que ele usa diariamente para tomar sol, espiar o movimento e afiar as garras. Assim, ele não arranha os móveis dentro de casa”, acrescenta o arquiteto.

Felix cadeira de fibras e erva de gato

Felix – cadeira de fibras e erva de gato

Casa Própria

Para incentivar Félix a dormir na sua própria cama e reduzir as escaladas nos armários, Fernando juntou algumas caixas forradas com papel contact decorativo e construiu, em cima do balcão do seu quarto, um prédio com quatro pavimentos (cerca de 2m de altura) conectados por alguns furos. “Agora, Félix tem um quadriplex para se exercitar e descansar quando sentir necessidade. Normalmente, ele dorme no terceiro andar, que é o último piso com cobertura e onde está a sua cama, da qual ele nem chegava perto quando ficava no chão”, explica.

E se conhecer o dono da casa em profundidade é importante para a elaboração de um projeto de interiores, certamente saber mais sobre as pessoas e os animais que compartilham do mesmo lar é fundamental. “Isso nos ajuda a sugerir desde uma pequena solução como um tecido sintético que não puxa fio para revestir os estofados, até a elaboração de ambientes especialmente planejados para os bichinhos”, finaliza Fernando.

Curiosidade

Segundo pesquisa da Abinpet (Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação), o mercado de animais de estimação faturou 14 bilhões em 2012, fazendo do Brasil o segundo maior mercado do mundo nesse segmento. Para 2013, a previsão de crescimento é de 8% a 15%.