Corretor online das 09h às 18h

Atendimento por e-mail

Central de Vendas (41) 3029 5011 das 09h às 18h

Corretor online das 09h às 18h

Atendimento por e-mail

Central de Vendas (41) 3029 5011 das 09h às 18h

Corretor online das 09h às 18h

Atendimento por e-mail

Central de Vendas (41) 3029 5011 das 09h às 18h

Com visual limpo e contemporâneo, edifício confere “leveza” ao centro de Curitiba

Pensado de forma a não interferir no aspecto histórico da Barão do Rio Branco, residencial Lifespace une tecnologia e neutralidade em perfeita harmonia com o entorno

Uma arquitetura limpa, contemporânea, sem detalhes rebuscados. Assim pode ser definido o estilo adotado no projeto do residencial Lifespace Estação, da Invespark Empreendimentos Imobiliários. O edifício, que está sendo erguido na Rua Barão do Rio Branco, Centro de Curitiba, deve dar nova cara à região, mas sem interferir no aspecto histórico da via e dos imóveis ali localizados.

O projeto arquitetônico é assinado pelo escritório Doria Lopes Fiuza Arquitetura, com interiores de Mônica Thá e paisagismo de Takeda Arquitetos Paisagistas. São 349 apartamentos dispostos em 12 tipos de plantas diferentes. Uma característica que o arquiteto Waldeny Fiuza considera das mais marcantes. “Não é nada repetitivo”, define. Atributo que torna o projeto complexo, mas dinâmico.

A quantidade de habitações aliada ao estilo do edifício promete dar vida à região. “O fato de ele ser mais limpo, com volume puro, associa-se a essa característica”, explica Fiuza. As cores do prédio – azul, branco e camurça – dão o ar de jovialidade, mas com discrição. “Procuramos destacá-lo um pouco na paisagem urbana da região, que não tem muita cor. Não usamos cores berrantes, nem fortes, mas que tiram a mesmice em relação aos volumes que estão em volta”, explica.

O edifício apresenta uma volumetria contemporânea, com torre escalonada, de 23 pavimentos, agregada a uma casa secular, datada de 1890. A disposição permite integrar a obra ao entorno histórico. “Com o escalonamento, a torre não ‘achata’ os imóveis históricos e também não interfere tanto na paisagem para quem anda pela Barão do Rio Branco”, diz o arquiteto.

A área comum é um dos pontos altos, principalmente onde fica a residência antiga, que abriga o hall de entrada e estruturas de convívio, como cafés – inclusive com internet -, sala de leitura, espaço para estudo e reuniões, biblioteca e sala de jogos. “A área de lazer esportivo, como as piscinas e fitness, optamos por deixar mais para trás”, cita. O imóvel histórico já estava restaurado de acordo com as especificações do Patrimônio Histórico do Estado e assim foi mantido. A única adaptação foi a instalação de um elevador, já que a casa dispõe de dois andares e um ático. Do imóvel histórico à torre, uma passarela de vidro faz a conexão, dando aspecto de leveza. A arquitetura despojada de elementos decorativos também torna a edificação atemporal – ou seja, não corre o risco de parecer antiquada independente do estilo em voga.


INTERIORES
Do projeto de interiores do Lifespace Estação, a arquiteta Mônica Thá destaca o piso do hall de entrada. “Foi concebido para integrar a casa, que é uma unidade de interesse de preservação, com o edifício moderno. Utilizamos a paginação igual à do piso que está sendo preservado no hall da casa, numa escala maior, com materiais modernos e de excelência”, diz.

Quanto à área de lazer, cada espaço foi feito de forma personalizada, de acordo com a proposta de uso. “Por exemplo, o Gourmet Sushi é um ambiente com móveis, materiais, revestimentos, luminárias e objetos decorativos típicos japoneses, assim como todos os outros ambientes têm esta relação muito forte com a sua função”, explica.

Os materiais usados na concepção do prédio remetem à neutralidade. A arquiteta destaca que isso torna possível compor ambientes de estilos variados e gostos diferentes – sem agredir nenhum deles. “As cores claras para revestimentos são sempre as preferidas porque, mesmo para quem prefere o escuro, é possível inseri-lo no mobiliário, nos tapetes e objetos decorativos.”